Conversando hoje ao telefone com uma grande amiga resumi o nosso ano em uma única palavra: agradecer.
Quando se lê as 8 letras do AGRADECER presume-se que o emissor da mensagem passou dias de céu de brigadeiro, tendo alegrias seguidas e nem sombra de problemas (ainda mais nessa época de redes sociais, onde tudo o que se vê por aí são imagens de viagens, celebrações e alegria sem fim).
Na verdade, estamos longe disso.


Somos todos humanos e vivemos a nossa vida cotidiana com os altos e baixos, dias de glórias entremeados com dias de dor.
Mas mesmo assim devemos confiar na perfeição do momento, na clareza de que o que deve acontecer realmente acontece.

No meu caso, 2017 foi um ano lindo. Com dias de luta e dias de glória.

De um modo público eu fechei o famoso ditado popular sobre o que devemos fazer numa vida com o lançamento do livro “A Dica do Dia” em junho. (Os filhos e a árvore já tinha cumprido em anos anteriores). Iniciei o ano ao vivo na maior emissora de TV do país, no programa que eu sempre sonhei, o Mais Você. O canal do YouTube cresceu muito e novas possibilidades estão ao meu alcance.
Conheci o fundador do Pinterest!
Estive novamente ao vivo, no palco do Teleton. Dividi a cena com o Danilo Gentili em 5 programas, gravei dicas especiais para a Record, na RedeTV, matérias na Folha de São Paulo, rádio Transamerica e tantos outros veículos.
(Foi tanta coisa bacana que eu posso estar até me esquecendo de algo)

Mas a grande beleza do ano deu-se na minha vida privada, aquela que eu pouco mostro por aqui.
E nela sim, eu tenho muito a agradecer e acho justo demais registrar um pouquinho e abrir essa janela.

Novos amigos chegaram, reencontrei outros queridos que há tempos não via nem convivia e conseguiu falar de amor e chorar junto com muitos deles. Que sorte a minha!

Com uma amiga em especial pude curar e revisitar uma ferida aberta em minha vida, a do câncer que levou minha mãe há 21 anos. Uma oportunidade linda que ganhei do Universo.

Confrontei o envelhecer e o fenecer de muito perto.
E tive que tomar várias decisões duras, muito duras. Mas agradeço demais todo o caminho que trilhei anteriormente para poder ter estrutura para tomar essas decisões e seguir com isso.

Passei por uma análise criteriosa através do olho clínico mais treinado do mundo que mudou definitivamente a minha história e minha vida num piscar de olhos. Literalmente de uma manhã para uma tarde, vejam que loucura! Como não agradecer e acreditar nos sonhos e na magia da vida?

Viajei sozinha pela primeira vez. Viajei com amigas. Viajei com os filhos e meu pai. Viajei para o meu próprio eu interior.

Vi meus filhos crescerem com caráter e firmeza.

Pude participar de um complô do bem para acarinhar uma pessoa muito querida pela internet.

E em 5/10/17 – um dos dias mais importantes deste ano – eu ganhei um livro que explica tudo isso e mais um pouco: Guerreiros não Nascem Prontos, do José Luiz Tejon. Recomendo demais a leitura, mas já adianto a mensagem final revelando que o segredo de todos os guerreiros é agradecer. Agradecendo caminhamos e materializamos o nosso propósito.

Palavra de 2017: AGRADECER

Que venha 2018 com uma nova palavra para mim e para você.
Minha aposta nesse minuto é que ela será: DECIDIR.
Sem abandonar o hábito de agradecer e de sermos nós mesmos.
Feliz 2018!
Um beijo,
Flávia

Eu me esforço para ser cada dia melhor, pois bondade também se aprende.
Mesmo quando tudo parece desabar,
cabe a mim decidir entre rir ou chorar,
ir ou ficar,
desistir ou lutar;
porque descobri,no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir.
(Cora Coralina)