bordados da ilha da madeira

quarta-feira, 08 de abril de 2009
é um bordado da Madeira com certeza?
Esta vem de quando eu era criança…
Há muito tempo – “a long time ago…” escreveriam nas histórias da Disney – eu era criança lá no interior de São Paulo.
Havia uma mulher que vendia peças de enxoval para casa com os famosos “bordados da Ilha da Madeira”. Eram caros e objetos de desejo na cidade.
Minha mãe, que era professora da rede pública e não tinha aquele salário astronômico, tinha adoração por eles.
Abre parênteses: Minha mãe era uma mulher muito refinada, era reconhecida pela elegância e bons modos. Não era uma questão de dinheiro não, porque nunca fomos ricos – apesar nunca termos passado fome. Fecha parênteses.
Então comprou algumas – na verdade duas – peças. A prestação e muito custo.
As tais peças só saíam da gaveta em dias muito, mas muito especiais.
Eram duas toalhas de mesa pequenas.
Hoje, as tais toalhas são usadas continuamente na casa do meu pai.
Minha mãe se foi há tempos e não há nenhuma mulher 24 x 7 para controlar o que acontece na casa.
Deixo que usem, porque as acho bonitas e alegres.
Elas me agradam enormemente.
E, segundo a minha teoria, a gente tem que usar o que compra. Não dá para ficar esperando Godot sentadinha…
O que aconteceu com a minha mãe?Comprou mas não usou.
E ela ainda contava mais uma história a respeito dos tais bordados: tinha uma mãe que foi comprando o enxoval aos poucos para a filha e guardava tudo em um baú, com grande antecipação.
Quando chegou a data do casamento, foram tirar as tais peças bordadas e estava tudo comido por traças.
Moral da história (pelo menos para mim): não usou, dançou.
Usem o que tem.
Faz bem para a alma, faz bem para o planeta também – afinal diminui o consumo, pois você usa o que já comprou não precisando comprar algo para usar no dia a dia e outro para as festas.
Aliás, festa é todo dia.
Para você mesma e quem você ama.
Beijoca
PS: A foto é de uma das tais toalhas.
Pesquisando oráculo afora para este post não achei nenhum bordado em estilo parecido.
Amigas portuguesas ou quem mais possa me ajudar: será que minha mãe foi ludibriada?

Você poderá gostar também...



Insira seu email e receba as novidades do blog!


Comentários do Facebook

28 Comentários para “bordados da ilha da madeira

  1. Oooi Flávia!
    Tenho uma amiga que é muito prática, diz que compra o que vai consumir e que coloca a uso no dia seguinte!
    Eu confesso que tenho algumas coisinhas guardadas que nunca usei, com a justificativa de que serão usadas em uma ocasião especial, mas já tive tantas ocasiões especiais e acabei esquecendo delas! Vou abrir meus armários!
    bjk

    [Responder]

  2. lá no meu interior, vi e vivi isto, minha mãe de 77 anos, tambem func publica estadual, prof de artes, fez isto, e como nunca usou a tal toalha me presenteou, ela chama de “toalha de banquete” e tem 12 guardanapos, dá um trabalho terrivel para passar, mas é muito linda é eu realmente uso, apesar de usar apenas em dias especiais, porque realmente dá um trabalho danado para passar. beijos!

    [Responder]

  3. Eu tb acho que devemos usar tudo o que temos, mas tem algumas coisinhas que às vezes eu fico com pena de usar e estragar, mas é uma bobagem, né?

    Não sei o bordado é português, mas achei muito lindo!

    beijos

    [Responder]

  4. eu sempre ouvi falar isso de bordado da ilha da madeira. e tambem que eram caros.
    mas se é verdade ou nao, eis a questao.
    ai vendo isso de guardar coisas pensei na minha mae que tambem gosta de guardar.
    ela tem monte de lingerie sem usar e eu pergunto pq nao usa.
    ela responde: fico pensando se ficar doente, nao quero usar coisa velha em hospital.
    eu digo: mae, em hospital se usa roupa de hospital…
    mas nao tem jeito, ela continua guardando umas coisinhas.
    eu nao faço isso, compro e uso. e quando é bolsa ou sapato ja saio da loja com eles.
    um beijo bem grandao proce.

    [Responder]

  5. Concordo com o que você disse, que temos que usar aquilo que temos. Uso todas as minhas coisas para o meu prazer a daqueles que sempre estão comigo, não sabemos nada do futuro e pode ser que ele nunca chegue. Então, sejamos felizes hoje.
    ;)

    [Responder]

  6. minha sogra guardava todas as coisas de casa que eu dava pra ela, dizendo que só ia usar qdo tivesse uma casa bonita. os tecidos de roupa e os vestidos eram pra quando tivesse um lugar especial pra ir.
    morreu atropelada e foi enterrada com um dos vestidos de seda que eu dei, e que ela só tinha usado uma vez.
    triste, né?

    eu também uso tudo. sou como a margaret, se puder, já saio da loja com o produto! guardar pra quê?

    bj

    [Responder]

  7. Eu tenho uma toalha com um bordado igual a esse. Comprei de enxoval de um português, paguei muito caro.
    Uso em ocasiôes especiais, com as porcelanas e cristais, pelo menos umas 2 vezes no ano.
    Só de olhar essas coisas lindas, nos alegra a alma!
    São nossos tesouros!

    [Responder]

  8. oi Flávia,…
    menina do céu , tirei umas 5 fotos do texto , e o danado não abria..rsrs..maximizava todas menos a danada , então apelei, copiei e postei …rsrsrs…se quiser ver o texto já se encontra visivel..rsrs..
    bjs

    [Responder]

  9. oiiiess…eu sou adepta do comprou hoje use amanhã…vixi…vai que viro uma estrelinha e dai vai dar a maior briga pra ver quem fica com o que????kkkkkkk…uso tudo não tenho nada novo…Bjinhus

    [Responder]

  10. Flávia, acho que são legítimas mesmo; naquela época não existiam imitações para os bordados portugueses, quase sempre em 100% linho..toalhas de banquetes e colchas eram a coqueluche para toda moçoila que preparava enxoval.. O meu, particularmente, minha mãe mandou bordar em um orfanato no interior de São paulo, muito apliques em ponto ajur, muita riqueza que devem ter alegrado o safado que roubou. Meus pais foram reformar a casa de São paulo e levaram toda mudança para Itanhaém, onde tinhamos uma casa..Assim, êles ficavam 3 dias lá e outros 4 em São Paulo acompanhando a reforma…Em uma dessas permanências em Sampa, alguém encostou um caminhão e levaram tudo de mobiliario a panelas etc..pois tudo estava encaixotado e foi muito fácil roubar…Ah..outra coisa que era modismo e suei para pagar a minha..Colcha de Pele da Polonorte!!! Já ouviram falar??? quanta loucura meu Deus!

    bjs, fica com Deus
    Dolly

    [Responder]

  11. Oie querida! Adoro suas postagens, você tem uma sensibilidade incrível para descrever as coisas, consigo visualizar a cena. Eu não guardo nada, se compro já uso no mesmo dia. Tenho um aparelho de jantar que foi presente de casamento de minha sogra, que já faleceu, ela me deu porque não teve filhA, uso sempre, pois adoro me lembrar dela que foi muito especial para mim. Bjokas.

    [Responder]

  12. Olá, querida, eu sou assim como a Margaret, uso tuuudo mesmo! E sempre que compro uma coisa nova, dou uma que não use tanto. Detesto ter muita coisa guardada. Quanto a sua historinha, eu realmente me diverti com vcs, rs.
    Um super beijo,
    Isa

    [Responder]

  13. Flavia, eu tenho uma estória para completar a sua. Eu fui morar com meu companheiro que tinha perdido a mulher vítima de cancer. Eu conheci a mulher dele e ela era uma pessoa incrível, batalhadora, que era ótima cozinheira, tinha coisas de casas lindas e práticas. Sei que ela batalhou muito para conseguir o que tinha, suas coisinhas, seus bibelos, suas rendas, colchas,etc, etc. Pois é, ela faleceu, ele casou novamente, comigo e hoje estou usando o que ela adquiriu ou que ganhou. Seilá. E, olha que ela tinha louças fechadas na caixa sem usar. Fiquei morrendo de dozinha dela quando vi que ela não usou e eu sim. E eu nem sei a estória das coisas que ela tem na casa. As vezes ponho uma toalha linda na mesa – azul bordada de branco e não tenho a mínima idéia aonde ela comprou aquilo, quem deu, como foi?? Sabe que isso passa na minha cabeça. Por isso, tento usar o que tenho agora. O dia especial é hoje, pois amanha, não sei se estarei aqui.

    [Responder]

  14. Flavia,
    olha tive que voltar aqui para fazer mais um comentário. Hoje ao chegar em casa, fui desfazer a mala de minha viagem a Fortaleza. Comprei lá milhões de coisas para casa: colcha, pano de bandeja, almofadas, etc. Pois é, quando estava guardando meu ” novo enjoval” vi que tenho pelo menos vinte peças que NUNCA usei. Tenho lençois na embalagem, toalhas com a etiqueta com o preço. Meu Deus, vou usar tudo, tudinho mesmo. Tenho que colocar em prática o que vc disse: Festa é todo dia e principalmente lembrar do exemplo “vivo” que tenho dentro da minha própria casa, pois amanha não sei se estarei aqui. Não quero que outra pessoa diga: “coitada ela nem usou o que comprou”.

    [Responder]

  15. Rsrsrsrs, Flávia: mãe é (era) tudo igual, mesmo.
    A minha também tinha essas coisa de “isso é para dias de festa”.
    Mas houve festas, e ela usou.
    Algumas peças eu “herdei”.
    Mas, falando francamente, só de pensar em mandar lavar e passar (cobram muito caro) ou eu mesma ter que fazer isso, fico em dúvida todas as vezes em que penso em usar…
    Bjs

    [Responder]

  16. Flávia sabe que na minha cidade tbem tinha uma mulher que vendia esses bordados? caros pacas, e eu achava que ela trazia era do Paraguai e ficava passando o migué nas pobres donas de casa rs. Minha mae comprou um jogo de lençol pro quarto dela, muito lindo, era bordado em azul

    Feliz Páscoa

    bjks

    [Responder]

  17. Oi Flavia
    Conheci in loco os bordados da Ilha da Madeira que são marvilhosos e feitos à mão, essa a razão de serem tão caros. São trabalhos altamente valiosos , um dia li que eram e ainda são usados nas mesas das casa reais europeias e até mesmo no Vaticano. É um trabalho primoroso, feito em ponto cheio e com muito relevo, realmente unico.
    Quando estive na Ilha, durante uma semana namorei uma blusa azul marinho delicadamente bordada de branco que era muito cara mas no ultimo dia, num impulso, acabei comprando-a e não me arrependo.
    Vou copiar seu exemplo e usar mais aquilo que tenho.
    Beijos
    Odete

    [Responder]

  18. Já disse que os comentários deixados neste post me surpreenderam muito – foram divididas histórias bacanas!
    Adorei.
    Obrigada por cada presente que vocês me ofereceram através de suas palavras.
    Beijo

    [Responder]

  19. Flávia
    Peço imensa desculpa por aquilo que venho dizer-lhe:
    Não, não é bordado da ilha da Madeira.
    Este é sempre feito em linho ou algodão, tecidos opacos e fortes, e linha, também, de algodão mercerizado e, geralmente, de uma só cor. Quanto ao desenho e técnica são sempre os típicos do bordado Richelieu.
    Mas não fique triste!
    A sua toalha é um lindo trabalho chinês feito talvez em Macau, no tempo em que lá se faziam verdadeiras obras-primas.
    O tecido é translúcido e a linha de seda. O desenho é tipicamente chinês, com um lindo crisântemo.
    Cá em Portugal muitas pessoas conservam peças dessas, há muitos anos, com todo o cuidado e carinho. E consideramos um privilégio possui-las.
    Usufrua alegremente dela!
    Um abraço
    Nela S.

    [Responder]

  20. Nela,
    não estou triste não pelo seu comentário.
    Na verdade fico feliz em ter um esclarecimento tão delicado quanto o seu.
    Vou te confessar aqui um pequeno segredo: és quase xará – tens quase o mesmo nome do que minha mãe. Senti-me, desta forma, muito acarinhada.
    Um grande beijo

    [Responder]

  21. Olá Flávia,
    Tudo bem? Sou neta e filha de “bordadeiras” da Ilha da Madeira. Minha mãe veio menininha de lá e aprendeu com minha avó a bordar.
    Minha mãe borda só para a família, mas minha avó (de quem tenho muito orgulho) bordava para sustentar a família. Na ponta da agulha ela contruiu casas e uma linda família. Também viajou muito com o dinheiro que conseguia com a venda de seus bordados. Ela vendeu muitos bordados para as “donas da alta sociedade” de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia. Hoje ela está com 85 anos e já não borda mais. Lembro-me que nos meus aniversários e natais ela sempre me dava um jogo borfdado… e eu amava!! Por isso tenho uma quantidade repeitável que enfeita a minha casa com muita classe.
    Aquele bordado que vc mostra no seu post não é da Ilha, embora seja muito lindo também. Ele também é comercializado por portugueses porque vem de uma ex-colônia: Macau.

    Adorei esse seu post… é muito difícil alguém falar sobre bordados da Ilha.

    Beijo,
    Nádia

    [Responder]

  22. ja havia lido tudo aqui, mas voltei! me lembro dos bordados caros e lindos da Ilha da Madeira, e dos enxovais que quem podia, fazia pras filhas ainda pequenas! só não sei o que eram as colchas do polo norte. vou procurar! adoro o blog! sucesso sempre

    [Responder]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>